MENSAGENS DO ASTRAL

 

MENSAGENS DO ASTRAL
Através do médium Hercílio Maes, o Espírito Ramatis escreveu várias obras que seriam
úteis para um melhor conhecimento do Mundo Espiritual e da passagem de Jesus pela
Terra, não fossem determinadas revelações e profecias. Essas obras se desenvolvem em
forma de perguntas e respostas, estas desnecessariamente longas, se comparadas com a
objetividade com que Emmanuel respondeu as perguntas contidas em “O Consolador”. Para
melhor compreensão, veja-se em “O Livro dos Espíritos”, 2ª Parte, cap. I, item 104, que trata
de “Espíritos pseudo-sábios”.
Se, à época em que essas obras surgiram, já pareciam fantasiosas, o que dizer agora,
com o não-cumprimento das profecias nelas contidas?
Na obra “Mensagens do Astral”, é afirmada a existência de um planeta visitante, que
deveria sugar os Espíritos que não mais permaneceriam na Terra, mediante uma aproximação
física, que deveria provocar a verticalização do eixo da Terra.
Em “A Gênese” (cap. XVII, item 63), e em “A Caminho da Luz” (cap. III), há o relato
do exílio de Espíritos rebeldes, que perturbavam o progresso de um planeta do Sistema Cabra
ou Capela. Esses Espíritos foram encaminhados aqui para a Terra, há muitos milênios.
Não há nenhuma notícia que a Terra se tenha deslocado para lá, a fim de “sugar” esses Espíritos.
Entretanto, qualquer pessoa que tenha estudado a Doutrina Espírita sabe que há
uma transmigração contínua de Espíritos no Universo, sem que haja necessidade de os planetas
se deslocarem, a fim de recebê-los. São os Espíritos que se mudam – ou são mudados
– e não os planetas que se deslocam à semelhança de ônibus ou aviões a buscarem passageiros.
Há, ainda, no livro referências a um “sugamento” a ser efetivado por esse planeta.
Comentando isso, o Chico, jocosamente, o intitulou “planeta chupão”...
Analisemos algumas afirmativas de Ramatis, à luz da Ciência e da Doutrina Espírita:
“A verticalização, quando for percebida, será incondicionalmente atribuída
à periodicidade espontânea dos movimentos naturais do orbe. Dificilmente a vossa
ciência haverá de aceitar a “absurda” notícia da aproximação de um planeta
desconhecido nas cartas astronômicas.”
“A partir do próximo ano de 1950, manifestar-se-á, junto à aura da Terra a
primeira vibração sensível desse astro intruso, mas ainda de maneira profundamente
magnética; será uma expansão endógena, isto é, de dentro para fora; uma
ação astro-etérea pois, na realidade, o fenômeno terá início na esfera interior do
vosso orbe. A princípio, dar-se-á um acasalamento de forças íntimas da Terra com
as energias agressivas e primárias do planeta visitante, por cujo motivo os cientistas
– que estão na dependência de instrumentos materiais – só poderão assinalar
o fenômeno quando ele aflorar à superfície dos cinco sentidos humanos.”
(pág. 81)
Qualquer pessoa dotada de um mínimo de bom-senso refutará essa afirmativa, pois
sabemos que a lua, que é 49 vezes menor do que a Terra, quando se aproxima um pouco
provoca o fenômeno das marés. Imaginemos então o que produziria a aproximação de um
astro 3.200 vezes maior do que a Terra! Haveria uma perturbação geral no Sistema Solar.
Esses argumentos serviriam para rebater as afirmativas perturbadoras de Ramatis à época
em que o livro foi publicado, porque hoje os argumentos contrários são outros, de vez que
nada disso aconteceu! Todas as suas profecias foram desmentidas com o passar do tempo!
“A fase mais intensa da modificação física situar-se-á entre os anos de
1982 e 1992, e os efeitos catastróficos se farão sentir até o ano de 1999, pois o
2
advento do terceiro milênio será sob os escombros que, em todas as latitudes geográficas,
revelarão o maior ou menor efeito dos “fins dos tempos”. Daqui a mais
alguns anos, os vossos geofísicos anunciarão, apreensivos, a verdade insofismável:
– O eixo da Terra está se verticalizando!!!” (pág. 81).
Nenhum geofísico se pronunciou até agora – passados quase 60 anos dessas absurdas
predições, que atemorizaram tanta gente à época e, que infelizmente, ainda encantam
encarnados que se recusam ver a verdade, raciocinar e rejeitar esses absurdos. É realmente
de estarrecer que ainda existam grupos que se dizem espíritas e tenham esse Espírito como
guia ou mentor. Que houvesse aqueles que se encantaram com suas “revelações”, àquela
época, é até admissível. Mas, agora, depois de passado todo o tempo previsto, sem que suas
predições se tenham concretizado, e pessoas continuem a se organizar em torno desse
Espírito, isso só pode ser explicado como um processo de fascinação.
A ser verdade a “profecia” abaixo, a população da Terra, agora, deveria estar reduzida
a um terço:
“Até o final deste século, libertar-se-ão da matéria dois terços da humanidade,
através de comoções sísmicas, inundações, maremotos, furacões, terremotos,
catástrofes, hecatombes, guerras e epidemias estranhas.” (pág. 190).
Para explicar tanto absurdo, só o velho adágio: “O falso tem mais brilho do que o
verdadeiro.” Será que essas pessoas que se apoiam em Ramatis, dizendo-se espíritas, já
estudaram a Codificação? Será que conhecem Kardec?
E não é só esta obra de Ramatis passível de refutação. Todos os seus livros contém
absurdos, escritos de forma pomposa, em linguagem pretensamente erudita, numa verbosidade
impressionante, bem própria dos Espíritos pseudo sábios, conforme classificação de
Kardec.
Ramatis afirmou que o planeta intruso é 3.200 vezes maior do que a Terra. Ao ser-lhe
apresentada contestação da parte de alguns encarnados, com base nas perturbações que
ocorreriam no Sistema Solar diante da sua aproximação, responde:
“É que ao captardes o nosso pensamento confundistes o volume áurico do
planeta com o seu volume material. Esse volume 3.200 vezes maior do que a Terra
não é referente à massa rígida daquele orbe, cujo núcleo resfriado é um pouco
maior que a crosta terráquea. Estamos tratando do seu campo radiante e radioativo,
que é o acontecimento principal de todos os acontecimentos no “fim dos
tempos”. É o volume do seu conteúdo energético, inacessível à percepção da instrumentação
astronômica terrestre, mas conhecido e fotografado pelos observatórios
de Marte, de Júpiter e de Saturno, cujas cartas sidérias registram principalmente
a natureza e o volume das auras dos mundos observados.” (pág. 228)
“Verdadeiramente, o astro intruso é maior do que a Terra, em seu núcleo
rígido ou a sua matéria resfriada, mas não há correspondência aritmética entre os
núcleos e auras de ambos. O volume etérico do primeiro é mais extenso ou expansivo,
porque também é mais radioativo, no sentido de energia degradada, e
mais radiante no sentido de interceptação de energia pura ou livre. Embora seja
um mundo oriundo da “massa virgem” do Cosmo, com que também se forjou o
globo terrestre, ele se situa como um tipo especial a parte, comparado ao vosso
orbe e que variou desde o tempo de coesão molecular, resfriamento, volume e
distância com que circunavega no seu campo constelatório.” (pág. 229)
A respeito de Jesus, há afirmativas que merecem destaque pelo absurdo gritante:
“Sob a inspiração e pedagogia dos Essênios amigos da família e que reconheciam
em Jesus um homem incomum, ele desenvolveu suas forças ocultas sob
rigorosa disciplina e aprendizado terapêutico pois, embora curando até pela sua
3
simples presença junto aos enfermos, não podia tangenciar as leis naturais que
determinam as direções, intensificações e dispersões fluídicas. (...) Submisso e
fiel ao mecanismo natural da vida humana criada por Deus, sabia curar com a
simples imposição de mãos, como aprendera com os Essênios, e usava uma terapêutica
afim com o seu tipo psico-físico e temperamento espiritual.” (pág. 458)
Só para exemplificar o falar do pseudo sábio, verifique-se o que quer ele dizer com a
frase: “não podia tangenciar as leis naturais que determinam as direções, intensificações
e dispersões fluídicas”.
Além do mais, se agia “curando até pela sua simples presença junto aos enfermos”,
por que precisaria ir aprender alguma coisa com os essênios?
Dando cores próprias, Ramatis repetiu afirmativas que já haviam sido feitas sobre
uma pretensa preparação de Jesus, entre os Essênios, para o cumprimento de sua missão.
Onze anos antes, Emmanuel, na obra citada, no cap. 12, contesta de forma clara e veemente
a frequência do Mestre, como discípulo, em qualquer grupo religioso:
“Muitos séculos depois da sua exemplificação incompreendida, há quem o veja entre
os essênios, aprendendo as suas doutrinas, antes do seu messianismo de amor e de redenção.
As próprias esferas mais próximas da Terra, que pela força das circunstâncias se acercam
mais das controvérsias dos homens que do sincero aprendizado dos espíritos estudiosos
e desprendidos do orbe, refletem as opiniões contraditórias da Humanidade, a respeito do
Salvador de todas as criaturas.
O Mestre, porém, não obstante a elevada cultura das escolas essênias, não necessitou
da sua contribuição. Desde os seus primeiros dias na Terra, mostrou-se tal qual era, com a
superioridade que o planeta lhe conheceu desde os tempos longínquos do princípio.”
Diante das dessa clara afirmativa de Emmanuel, será que ainda merecem fé essas afirmativas
de Ramatis? Mas, sua ânsia de mostrar-se um arauto da Espiritualidade fica mais
evidente com a seguinte “revelação”:
“Já que quereis saber a verdade, dir-vos-emos que o corpo de Jesus foi
transferido, altas horas da noite, por Pedro e José de Arimatéia, para um jazigo
de propriedade deste último, que era devotadíssimo ao Mestre, e que, assim, evitavam
que os sacerdotes incentivassem os fanáticos a depredarem o túmulo do
Messias, a quem não queriam reconhecer como líder espiritual.” (pág. 419)
José Passini
Juiz de Fora MG
passinijose@yahoo.com.br

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!