No Final da Última Hora

 

 
No Final da Última Hora
 
Espírito: Lucius
Médium André Luiz Ruiz José Passini
passinijose@yahoo.com.br
Essa obra soma-se a várias outras que estão sendo publicadas atualmente sobre o tema “Fim
dos Tempos”, mas desvia-se em relatos de casos que ficariam bem numa obra que se propusesse
como romance. Em alguns trechos até romance terrorista.
Numa conferência, cuja localização não foi declarada, o Espírito Antênio diz ser habitante de
um planeta do sistema Sírius, situado a 82 bilhões de quilômetros da Terra, e que de lá, desde
tempos remotos, vêm Espíritos em auxílio dos terráqueos. (22)
Prosseguindo a conferência, o Espírito que havia apresentado Antênio toma a palavra e faz
uma preleção sobre o fim dos tempos. A seguir, falando à assembleia, dirigiu-se a um globo
flutuante que, ao toque de seus dedos, lentamente foi se transformando em um outro mundo, perdendo
o seu encanto e beleza para dar lugar a uma outra forma, igualmente globular, mas sem nenhuma
atmosfera amistosa. Ao olhar surpreso dos membros da assembleia, surgia o orbe intruso, a
morada nova para os velhos e renitentes Espíritos inferiorizados, carregando a sua psicosfera densa,
primitiva e difícil na qual estagiariam as almas da humanidade terrena que não soubessem corresponder
ao chamamento da consciência reta e nobre. (36)
Volta o Espírito Lucius a falar na velha tese de Ramatis, já apresentada no seu livro “Herdeiros
do Novo Mundo”: planeta intruso, higienizador, sugador, chupão... Esse planeta passaria
por aqui, a fim de receber os exilados.
A seguir, Aurélio, que havia apresentado Antênio, é um Espírito que passa ao Dr. Bezerra
uma série de instruções que nada têm de novidade para quem tem algum conhecimento da
realidade que vivenciamos, muito menos para ele, que sobre elas já se tem pronunciado em
obras mediúnicas:
Bezerra e os amigos seguiam-lhe as palavras com atenção, concordando com a análise prática e
objetiva que a sábia entidade realizava acerca da realidade do mundo espírita. (40)
Mais adiante, ainda falando com Dr. Bezerra, entra no discurso já costumeiro de alguns Espíritos
fascinadores que, através de outros médiuns, buscam semear a indisciplina e a discórdia
no trabalho dos centros:
Não se pode mais conceber uma casa espírita na qual a ordem mate a afetividade, a organização
transforme as pessoas em máquinas e os organogramas burocratizem a caridade em setores e departamentos
impessoais. (42)
Páginas adiante, continua seu ataque ao trabalho espírita, agora mostrando o baixo nível
moral de trabalhadores de um centro:
– Ora, Geralda, a gente não pode perder as oportunidades. Então, improvisei uma reuniãozinha lá
em casa. Só eu e ela. Expliquei como as coisas seriam e deixei rolar.
– Mas o tal Espírito não se comunicou?
– Bem, ela está pensando até agora que sim... – respondeu Cássio, dando uma gargalhada.
– Mas o que fez você se lembrar de mim nesse caso?
– Ora! Princesa, já se esqueceu de suas carências? Esqueceu que arrastava uma asa para o noivo
de Gláucia?
Geralda não respondeu, mas ficou enrubescida por haver se lembrado de que Cássio sabia de suas
aspirações femininas, mesmo no centro espírita.
– Mas de verdade – continuou Cássio –, a lembrança maior foi quando, depois que terminou a “sessão”,
a moça estava em prantos e todinha carente e, então, o velho Cássio encontrou finalmente a
chance que esperava. E de conversa em conversa, a moça acabou dormindo lá em casa. Foi aí que
veio a lembrança da Geralda. Você precisa ver que pernas ela tinha. Acho que só perdia para as
suas, querida. Aliás, você continua cuidando bem delas? (55)
2
O capítulo termina, mostrando o insucesso dessa mulher que, embora arrependida, não consegue
ajuda para uma renovação. Nenhum exemplo edificante.
Mais adiante, Lucius descreve uma reunião com o Espírito Aurélio Augusto, em cujo gabinete
(tudo indica que situado fora da Terra) reuniram-se Francisco de Assis, Sócrates, Joana
d’Arc, Chico Xavier, Vicente de Paulo, Bezerra e Luiz (que mais adiante, fica-se sabendo que
é Gonzaga). Ao final, Aurélio declara:
Eis que aqui nos achamos por determinação de Jesus para o trabalho de resgate e salvação. (123)
A partir dessa declaração, começa um discurso em que usa, para exemplificação, uma fábrica
hipotética, colocando Jesus como seu administrador, gastando nisso algumas páginas. Diante
da descrição dos problemas existentes no Planeta, Joana declara-se pronta ao serviço de
Jesus, emocionando os demais Espíritos, levando-os a aderirem também, num clima que
mais lembra uma excursão do que uma missão. É de se notar que Aurélio estava, em nome
de Jesus, preparando a missão redentora da Terra... E contava com sete colaboradores, seis
dos quais fizeram essa adesão emocionada, depois da declaração de Joana d’ Arc... Será que
a decisão de aderir a um trabalho de tamanha magnitude seria tomada sob o impacto de
uma emoção momentânea? É de se perguntar: Como Lucius presenciou tudo isso? Seria
também ele um Espírito de escol?
Fugindo completamente do tema proposto pelo título da obra, no cap. 13 é descrito um caso
de reencarnação. Refere-se a um médium fracassado, que teria oportunidade de escolha,
antes de reencarnar, entre o exercício mediúnico ou a loucura, a fim de resgatar erros do
passado. (Aqui, impõe-se esta pergunta: Pode um Espírito decidir, no Mundo Espiritual, a
reencarnar como louco?) Escolheu a mediunidade, mas não foi fiel à promessa. (144/145)
Ao longo do livro, fazendo coro com a mensagem equivocada que tem chegado através de
outros médiuns, encontramos um discurso agressivo e desencorajador a respeito de centros
espíritas que seriam dirigidos por pessoas irresponsáveis:
Dizem-se servos do Senhor, mas não sonham com o trabalho. Querem sombra e água fresca, querem
postos e favores, mas trazem a mente inimiga de qualquer mudança de conduta que lhes signifique
um aumento de atividade. Boa parte usa do argumento de que não devem atordoar a mente
das pessoas que frequentam a casa espírita porque elas não estariam preparadas para as transformações
necessárias. (161)
Assim estamos, Ribeiro. Adelino e eu nos surpreendemos quando observamos que a maioria dos
dirigentes espíritas está assumindo a insensata posição do fingido capitão, negando-se a alertar sua
tripulação sobre os reais problemas do navio, bem como a de se preparar para o naufrágio. (162)
Acusações graves, através de um discurso semelhante ao dos Espíritos que se fazem passar
por Ermance Dufaux e Dr. Inácio Ferreira, através de outros médiuns. Essa catilinária prossegue,
páginas adiante, contra os dirigentes espíritas, até o final do capítulo:
Jesus sabe como somos e quantos serão levados no turbilhão. Talvez os espíritas se surpreendam
com a quantidade deles próprios, alistados entre os que não poderão mais permanecer no mundo
renovado, atingidos em cheio pela transformação da humanidade que lhes rasgará as ilusões com
as quais se travestem, crendo-se eleitos de Deus, poupados de dores e aflições. Que se preparem,
pois, espíritas iludidos, porquanto, para eles, a transição será mais dolorosa do que para os outros
crentes (166/167).
Segundo relato de Lucius, Sócrates está trabalhando junto aos jovens, mas encontra dificuldade
diante de barreiras sustentadas pelos mais velhos:
Particularmente agradável me é o contato com os jovens espíritas, cuja mente modelada pelos conceitos
do consolador prometido é oficina produtiva e indústria de belas idéias.
O único problema, infelizmente, é causado pelos mais velhos, aqueles dirigentes cujos neurônios
enferrujaram no cérebro e que, por isso, não são sensíveis às sugestões e buscas dos mais novos. (...)
A meu ver, infelizmente, alguns estão cristalizados na rotineira cantilena com a qual pensam que
ganharão o céu ou algum lugar privilegiado em colônia espiritual superior se mantiverem as coisas
funcionando pelos padrões do passado. Às vezes, Bezerra, preferem sufocar a inquietação dos mais
novos do que dar-lhes espaço na discussão sadia dos temas candentes do momento. (160)
3
Nenhuma palavra de apreço ao imenso trabalho de evangelização levado a efeito pelo Espiritismo.
Apenas críticas, parecendo que só agora, com certos médiuns, a verdade está chegando
à Terra. Lucius faz coro com os Espíritos falaciosos que se fazem passar por Ermance
Dufaux, Maria Modesto e Inácio Ferreira, sendo que, deste último, imita até a grosseria ao
dizer que transcreve palavras de uma médium, dirigindo-se a outra:
– Vai falando aí Mari. Desembucha, porque isso me interessa. (185)
Ela hesitava em descrever a visão que tinha de seres extraterrestres que compareciam à reunião
mediúnica:
Eram duas entidades altas, possuindo corpo como o nosso, mas diferentes de nós: traziam a cabeça
muito semelhante a um pingo d’agua invertido, equilibrando-se em um pequeno pescoço sobre um
tronco do qual pendiam dois braços longos, que terminavam em mãos com quatro dedos. (...) Seus
olhos eram grandes, quase não tinham nariz e a boca era bem miúda, quase um risquinho. (198)
O discurso contra os espíritas agora é colocado na boca de uma dirigente de reunião mediúnica:
Para que vocês entendam o que quero dizer, existem espíritas tão puristas por aí que repudiam
mesmo a fluidoterapia – conhecida vulgarmente como passe magnético – alegando que tais práticas
foram herdadas da homeopatia e não do espiritismo.
Acho que os dirigentes devem estudar mais, descendo do pedestal de “comandantes” de algo do qual
não deveriam se considerar mais do que servos por amor. (204)
Atente-se para a descrição do trabalho que teria sido desenvolvido num centro espírita:
Era comum encontrar-se um encarnado assediado por oito, dez ou mais entidades, isso sem falar no
imenso contingente dessas que ficava impedido de ingressar em decorrência das barreiras vibratórias
que demarcavam o perímetro de defesa da instituição, no plano invisível. Assim, nas noites em
que o número dos encarnados chegava a cem, contavam-se entre oitocentos a mil os Espíritos que
os acompanhavam, além dos que se afastavam da entrada, bloqueados pela vigilância da instituição.
(210)
Ao lado dessa população, diversas caravanas espirituais em incessante trabalho de resgate visitavam
as moradias de cada frequentador que havia comparecido, de lá trazendo entidades perturbadoras
para tratamento. (210)
Se assim fosse, a simples presença de alguém num centro espírita lhe garantiria o afastamento
de Espíritos que o estivessem perturbando em sua casa...
E as oito ou dez entidades que, conforme relatado acima, acompanhariam os frequentadores
do centro? Essas não seriam submetidas a tratamento?
Bezerra de Menezes, segundo afirmativa de Lucius, na obra “Herdeiros do Novo Mundo”, está
encarregado de dirigir a retirada dos Espíritos que serão exilados da Terra. Na obra em
análise, ele coloca na boca de Bezerra de Menezes algumas afirmativas absurdas, referindose
a influências negativas que esse planeta exercerá sobre os habitantes da Terra.
É ambiente magnético-psíquico, cujo fulcro está no corpo celeste que se acerca cada vez mais de
nosso sistema e que transmitirá não apenas suas influências gravitacionais e elétricas a tudo o que
esteja no campo de ação, mas, de igual sorte, envolverá a todos como essa densa nuvem de vibrações
primitivas, atuando sobre tudo que lhe penetre a área de influência. (217)
Como poderia um planeta influir gravitacionalmente? Se a influência gravitacional da Lua,
que é 49 vezes menor do que a Terra, provoca marés, imagine-se a influência de um planeta
muitas vezes maior do que o nosso!
Isso propiciará modificações de comportamento, eclosão de enfermidades em decorrência de sintonias
negativas, alteração de hábitos, agravamento de tendências e defeitos pela somatória de forças
de mesma direção, efeito da ressonância ou harmonia dos Espíritos que vibrem segundo as influências
inferiores derivadas diretamente do potente campo psíquico do orbe estranho. (217)
Admitindo-se a possibilidade de influência, como poderia um planeta primitivo influir negativamente?
Por que, então, os terráqueos não receberíamos influências de planos espirituais
equilibrados que nos são mais próximos, como Nosso Lar, Alvorada Nova, Morada e outros?
Além do mais, não seria necessário argumentar sobre o absurdo dessa aproximação física, já
sustentada por Espíritos pseudo-sábios em outras obras.
4
Deixando de lado o tema central da obra, o Espírito Aurélio descreve, em longas páginas,
cenas de desequilíbrio sexual de jovem casal, terminando por revelar:
Agora, o mais dramático no caso desses dois, infelizmente, é o fato de serem irmãos consanguíneos,
mal orientados pelos mesmos genitores, vitimados pelo mesmo lar desajustado. (256)
Prosseguindo, Aurélio diz:
Estaremos muito felizes se, passada a euforia da droga e amadurecidos em espírito, conseguirmos
fazer com que convertam a associação para o vício em um amor sincero de um para com o outro,
capaz de tirá-los desse mundo de perversidades.
Poderão vocês pensar: Mas eles são irmãos consanguíneos...!
Sim, nasceram no mesmo lar, filhos de pais comuns, mas a família os tratou como animais e, por
isso, agora, se amam como bichos. No caso deles, então, não será um progresso notável superar o
amor animal para começar a se amar como homem e mulher? (256)
Diante disso, pergunta-se: seria lícito continuarem se relacionando como animais?
Mais adiante, descrevendo o trabalho mediúnico de algumas irmãs, Lucius mostra um clima
de desconfiança entre médiuns, mas diz que estão encarregadas de receber entidades de
outro orbe:
Dentro do plano de trabalho, os mentores responsáveis estavam cientes de que as duas companheiras
se dedicariam à experiência de contato mediúnico com entidades visitantes provenientes de outro
orbe. (261)
Descrição de Espíritos procedentes de outro orbe, feitas por uma médium vidente, enquanto
outra anotava:
Ao nosso redor, vejo um campo de energias diferentes, como se fosse um globo plástico de grandes
proporções, dentro do qual se encontram nossos mentores costumeiros e alguns seres diferentes.
São de diversas estaturas e tipos. Alguns são bem altos e magros, com membros alongados e cabeça
em forma de pêra ou “gota d’água” invertida. Outros bem mais baixinhos, mais ou menos da altura
da maçaneta da porta. Estes possuem o corpo mais robusto e a cabeça mais volumosa, lembrando
um pouco uma cebola grande. (...) marcadas pela quase ausência de boca e nariz, existindo apenas
pequenas aberturas que seriam as nossas narinas e uma fenda delicada e discreta, sem lábios, na
altura de nossa boca. (273/274)
E as descrições prosseguem, revelando seres que estariam noutro nível evolutivo, continuando
com descrições mirabolantes, como num filme de ficção científica:
Um deles possui a forma humana , mas tem cabeça parecida com dinossauro, desses de filme. (274)
E as informações da vida desses seres prosseguem páginas adiante, sem nada de prático, de
objetivo. apenas “revelações” mirabolantes que, se fossem verdadeiras, deveriam fazer parte
de um livro específico e não relacionadas de passagem.
Certamente já ouvimos o próprio Codificador nos ensinar sobre a necessidade de atenção, preferindo
recusar noventa e nove verdades a aceitar uma mentira. (310)
Além do exagero, note-se que a autoria não é do Codificador, mas do Espírito Erasto (O Livro
dos Médiuns, item 230): “Melhor é repelir dez verdades do que admitir uma única falsidade,
uma só teoria errônea.”
Causa espanto o diálogo que se teria estabelecido entre um desses espíritos esquisitos, oriundos
de outros orbes e uma médium, encarregada de anotar o diálogo:
Qual o motivo prático que os traz a este planeta? Estamos aqui para ajudar – tanto a vocês quanto a
nós mesmos. (...) Nós já vivemos na Terra quando ela era bem diferente do que é hoje. Quando aqui
estive, como membro da família terrena, este mundo era constituído de um único continente. (327)
Quantos milênios até mesmo antes da civilização egípcia?
(...) Ainda assim, estamos atuando diretamente na melhoria do DNA do ser humano, como objetivo
principal. (...) Os seres humanos pagam muito com o corpo, com doenças e dores correspondentes.
(...) atuamos para que o próprio DNA evolua no sentido de defender a estrutura orgânica da incidência
de certas enfermidades, como se criássemos uma espécie de bloqueio. (328)
Poderia o sofrimento humano ser resolvido com uma mudança de DNA? Ou seria com a melhoria
moral da Humanidade? Será que habitando corpos melhores os Espíritos melhorariam?
Seria o mesmo que modificar a embalagem de um produto, visando ao seu melhoramento...
5
Quando nossas primeiras representações aqui aportaram, fizemo-lo sob a proteção direta deste a
quem chamais o Cristo e sua augusta cooperadora direta, Maria, os quais lideraram nossa caravana
até as proximidades da atmosfera dos homens. (333)
Será que Jesus e Maria teriam sido guias de caravanas espirituais?
Torna-se um tanto difícil a compreensão do cap. 34, diante do fato de Lucius referir-se à ação
de Espíritos Superiores como se tudo já estivesse terminado:
Atividades espirituais se multiplicavam em todos os sentidos. Acompanhando os arautos da palavra
divina, Espíritos empenhados na semeadura não desperdiçavam a menor oportunidade de espalhar
a luz por onde se faziam ouvir. Filósofos recebiam o amparo de Espíritos missionários do pensamento
superior, inspirando-os às reflexões críticas (...).
Autoridades em diversas esferas de influência também eram objeto da ação das entidades invisíveis,
que procuravam inserir em suas almas idéias mais elevadas (...)
Acompanhavam de perto as decisões políticas referentes ao destino da humanidade. Por isso, em
todos os grandes eventos da comunidade internacional, nobres emissários invisíveis compunham a
coletividade dos construtores de um mundo melhor, amparando o raciocínio dos representantes dos
diversos países (...) (391)
Note-se o relato, como se tudo já se tivesse efetivado, pois Lucius usa o pretérito imperfeito.
Diante disso, fica parecendo que esses Espíritos que vieram ajudar desistiram de prestar o
seu auxílio, tendo conseguido sensibilizar
... pequena comunidade de cientistas e interessados se assombravam com as modificações gerais
sofridas pelos astros do sistema solar, inclusive a própria Terra. Essas alterações estimulavam a
intensa pesquisa sobre as suas causas, na raiz das quais a aproximação do conhecido corpo celeste
previsto há muitos séculos se fazia sentir. (393)
Mas Lucius afirma que as advertências não foram ouvidas:
Maciços investimentos em abrigos subterrâneos, em medidas protetivas para autoridades e membros
das altas hierarquias sociais e econômicas, disfarçavam-se das vistas desse público manobrável,
sempre manipulado e enganado pelos dirigentes que elegera e que, em troca, o deixaria à míngua,
exposto às tragédias, sem direito ou esperança. (394)
Enquanto os governos criavam essa cortina de fumaça numa política de despistar, iam escavando
montanhas e construindo abrigos para seus membros, na tentativa de garantir a perpetuação das
dinastias materiais que representavam. (395)
Lucius atribui os acontecimentos atuais à influência desse planeta intruso:
Apesar das teorias dissimuladoras, não eram os gases do progresso os responsáveis exclusivos pelas
modificações atmosféricas. Ao lado deles, estava uma causa mais séria, origem das mudanças climáticas
e magnéticas em quase todos os planetas do sistema solar, uma fonte externa cuja existência
seria negada até a última hora, quando não fosse mais possível aos governantes esconderem a
realidade. (395)
Os astrônomos modernos haverão de estabelecer outras denominações para o astro que se aproxima,
até mesmo com a finalidade de não estimular antigos vaticínios e previsões. No entanto, não
importa que denominação lhe venham atribuir, certamente não evitarão os efeitos renovadores que
já se fazem sentir de maneira direta sobre todas as coisas, inclusive o próprio Sol, com a modificação
de sua atividade. (396)
Quais seriam as dimensões desse planeta para afetar até o próprio Sol? Se afetaria o Sol que
é um milhão e trezentas mil vezes maior do que a Terra, qual seria o seu tamanho? Além do
mais, o Sol está a 150 milhões de quilômetros de distância da Terra. Entraria esse planeta no
Sistema Solar? E o equilíbrio entre os astros? Lembremo-nos de que a Lua, que é quarenta e
nove vezes menor do que a Terra, quando se aproxima um pouco, ocasiona as marés altas...
O cap. 35 é realmente incompreensível para alguém que pretenda usar um pouco de bom
senso, pois relata acontecimentos catastróficos, atemorizadores como se já tivessem acontecido.
Todos os verbos ali usados estão no passado imperfeito, num verdadeiro menosprezo à
argúcia, à capacidade de entendimento do leitor.
6
A Terra recebeu, conforme Emmanuel relata na obra “A Caminho da Luz” (cap.3), um contingente
de Espíritos vindos de um planeta do Sistema Cabra ou Capela. Nenhuma referência
a respeito de um deslocamento que o nosso planeta teria sofrido para recolher aqueles Espíritos,
como se fora um ônibus a recolher passageiros. Os Espíritos é que foram conduzidos
para aqui. No mesmo livro, o Benfeitor diz que fenômeno semelhante de exílio se dará com
habitantes da Terra. Mas, apesar dessa lógica explicação, o Espírito Ramatis, onze anos depois,
fez publicar a obra “Mensagens do Astral”, na qual afirma que um planeta passará por
aqui para sugar ou atrair os Espíritos rebeldes. Lucius, em sua obra “Herdeiros do Novo
Mundo”, adota essa tese, até declarando alguns nomes jocosos que o planeta já recebeu:
intruso, sugador, higienizador, chupão...
Nesta obra em análise, Lucius vai além, pois admite que o planeta primitivo – ainda viajando
rumo ao nosso Planeta – já está exercendo uma influência negativa não só na Terra, mas
também noutros planetas do Sistema Solar... Mas quem é minimamente informado sobre
astronomia não aceita absolutamente essas revelações fantasiosas.
A crença espírita se edifica dentro de nós sobre duas bases: fé e razão. Por isso, devemos
analisar à luz do entendimento certas afirmativas de Espíritos, a fim de que nossa fé não sofra
abalos.
Mas, é profundamente lamentável a falta de senso de responsabilidade de dirigentes de centros,
de livrarias e de clubes do livro que divulgam obras sem que essas tenham sido lidas e
analisadas. Infelizmente, sob a capa da assistência social, tudo é válido, desde que renda
fundos...

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!