JESUS E NÓS

É inegável que a História do Cristianismo confunde-se em muito com a da

civilização ocidental.

 

É impossível rememorar esses dois mil anos passados, sem percorrer

acontecimentos do Cristianismo.

 

Afinal, é o próprio Cristo quem divide a contagem do tempo, em antes e depois

de Sua vinda.

 

E é de tal forma contundente Sua vinda e Sua passagem entre nós, é de tal força

a Sua mensagem, que Ele não apenas conseguiu dividir o calendário terreno,

mas dividiu também a vida de muitos, em antes e depois do encontro que

tiveram com Ele.

 

Para alguns, esse encontro foi pessoal, direto. Após isso, nunca mais foram os

mesmos.

 

Pedro foi capaz de largar suas redes para se tornar pescador de almas, como

Jesus lhe propôs. Mateus, coletor de impostos, voltou as costas ao mundo para

contabilizar as riquezas celestes.

 

Outros, encontraram-nO na intimidade da visão psíquica, com os olhos da alma,

como Saulo de Tarso, na estrada de Damasco.

 

Após o encontro com Jesus, entregou-se à Sua causa, não olhando para trás,

para sua vida antes dEle.

 

Francisco, da bucólica Assis, conquistou o mundo tornando-se o irmão menor de

todos. Teresa de Jesus, em Ávila, ganhou as estradas a fim de fundar casas de

assistência em nome dEle.

 

Juana Inés de La Cruz, no México, abandonou seus estudos, a imensa biblioteca,

para atender aos pobres e miseráveis, em nome do amor a Jesus.

 

Teresa de Calcutá, na Índia, ergueu mais de quatrocentas casas, em nome da

causa de Jesus, em nome do amor ao próximo.

 

O musicista Albert Schweitzer abandonou sua carreira musical e de orador

religioso, tornando-se médico, partindo para a África Equatorial Francesa, a fim

de vivenciar o amor, junto aos irmãos esquecidos.

 

Chico Xavier, da singela Pedro Leopoldo, foi capaz de reestruturar vidas e

ensinar a seguir Jesus, na proposta de amar ao próximo.

 

Sem dúvida, todos esses, e tantos mais, entregaram-se e entregaram suas vidas à

proposta do Cristo.

 

Após encontrá-lO, já não mais pensaram em si, não mais tiveram preocupação

consigo, mas, plenos do mais sublime amor, viveram a Sua mensagem.

 

* * *

 

É bem verdade que não temos ainda os recursos emocionais e a grandeza moral

desses que fazem de sua vida um hino de louvor a Deus.

 

Porém, nada impede que possamos, aos poucos, iniciar nosso caminho nessa

direção.

 

Todas as vezes que deixarmos de pensar em nós e pensarmos no próximo;

quando usarmos da humildade, da benevolência, da compreensão, ao invés da

arrogância, da crítica e da prepotência, estaremos dando os primeiros passos

nesse rumo.

 

Começando assim, dia virá em que, à semelhança de Paulo de Tarso, também

perceberemos que Cristo vive em nós, pois estaremos vivendo em abundância o

amor que rege todo o Universo.

 

Redação do Momento Espírita.

Fonte: Site "Mensagem Espírita"

 

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!