TERAPIA DIVINA

Certo dia Fernando acordou reclamando, como de hábito:

— Que droga, mãe! Quero dormir e preciso ir à escola. Gostaria de

ficar na cama a manhã inteira!

— Meu filho, todo mundo precisa estudar para aprender e crescer na

vida. Depois, conforme a profissão que escolher, ainda terá de fazer

um curso superior. Vamos, levante-se, deixe de ser preguiçoso! — a

mãe considerou sorrindo.

Bravo, Fernando tomou banho para acordar direito. Comeu alguma

coisa e foi para a escola resmungando. E sempre essa situação se

repetia, sem que ele aprendesse a importância de estudar.

 

Certo dia, mais irritado que de costume, ele dirigia-se à escola

quando, ao passar por uma construção, um pedaço de concreto

despencou do alto, caindo sobre uma de suas pernas e jogando-o no

chão, a gritar de dor.

Vitório, o mestre de obras, correu a socorrê-lo, levando-o

imediatamente para o pronto-socorro, ainda desmaiado. 

Enquanto esperava para ser atendido, deu o telefone de casa a

Vitório, para avisar sua mãe, Cláudia. Logo a senhora chegou, aflita,

sendo apresentada para Vitório.

— Dona Cláudia, foi uma infelicidade. O pedreiro estava quebrando

um concreto, quando um pedaço dele caiu sobre seu filho. Mas fique

descansada. O médico examinou Fernando e o está atendendo agora.

Quanto às despesas, a empresa pagará tudo.

 

Nesse momento, o médico chegou e explicou à mãe a situação do

garoto. Fernando já estava na sala de cirurgias, pois a perna dele

fora bem atingida. Cláudia deu as informações necessárias e,

preocupada, sentou-se para aguardar, elevando o pensamento para

Jesus e suplicando ajuda para seu filho.

 

Algumas horas depois, ainda sonolento, o menino foi levado para o

quarto. Em dois dias, retornou para casa numa cadeira de rodas. A

princípio ele gostou, pois não iria à escola. Depois, cansou-se de

estar sempre preso àquela cadeira. Além disso, ficava sozinho em

casa, pois seus amigos estavam na aula.

 

Um dia, conversando com a mãe, perguntou:

— Mamãe, será que vou ficar muito tempo nesta cadeira de rodas?

 

— Ah! Meu filho, você precisa ter paciência. O acidente foi grave e

levará meses para você se recuperar.

— Mas por que isso aconteceu justo comigo, mãe? Aquele concreto

poderia ter caído em cima de qualquer um, mas aconteceu logo

comigo!...

 

A mãe pensou um pouco, procurando as palavras certas, depois

disse:

— Fernando, quando alguma coisa acontece, sem que nada tenhamos

feito para provocar a situação, é que isso representa um processo

educativo de que Deus se utiliza para nosso aprendizado. No seu

caso, desenvolver a paciência, a compreensão, a resignação frente

aos problemas da existência, a valorizar a vida. Entendeu, meu filho?

— Mais ou menos. Na verdade, queria muito poder andar de novo, ir

para a escola caminhando, poder estudar, rever os colegas... Será que

isso vai acontecer, mãe?

— Interessante! Veja como a terapia divina já está surtindo efeito.

Você detestava ter que ir à escola, agora está com saudade dela e dos

amigos. Serão só alguns dias; depois você irá de cadeira de rodas, eu

o levarei! — a mãezinha respondeu, tranquilizando-o.

 

Assim, Fernando voltou para a escola, agora com outra disposição.

Após alguns meses, ele deixou a cadeira de rodas e passou a

caminhar usando uma muleta. Reclamou no início, mas

compreendeu que era necessário, pois não podia forçar a perna

machucada, que ainda doía muito.

Desse modo, ele acostumou-se com a muleta, que passou a fazer

parte do seu dia a dia.  Nas consultas, o médico lhe explicava a

necessidade de continuar o uso da muleta.

 

O tempo foi passando... Alguns anos depois, já rapaz, certo dia ele

atravessava uma praça quando se sentiu cansado e sentou-se num

banco para descansar. Colocou a muleta de lado e respirou fundo,

olhando o movimento de pessoas.

Logo se sentou também um senhor. Simpático, o homem começou a

conversar com ele, e perguntou-lhe a razão da muleta. Fernando

explicou o acontecido com ele anos antes.

Interessado, o senhor passou a fazer-lhe perguntas, que ele

respondia. De repente, o desconhecido perguntou:

— Posso ver sua perna?

— Claro! Sem problemas — respondeu Fernando.

O senhor abaixou-se e, ao mesmo tempo, examinava a perna, fazia

perguntas que Fernando respondia. Depois, voltou a sentar-se no

banco e informou ao rapaz intrigado:

— Fernando, eu sou médico e trabalho na área de ortopedia. Antes,

não havia outra solução para seu problema, porém agora tudo se

resolve. Vou dar-lhe meu cartão e, se quiser conversar melhor, estou

à sua disposição. Você é muito simpático, e notei que lida com seu

problema de uma forma tranquila, sem reclamar, o que é difícil na

sua idade.

 

Fernando sorriu e respondeu:

— Ah! Mas eu não era assim, doutor! Com o tempo, fui melhorando.

Antes, reclamava de tudo, não queria estudar, até que sofri o

acidente. Claro que fiquei irritado, nervoso, mas minha mãe explicou

que era uma terapia divina para que eu exercitasse a paciência, a

resignação... enfim, confesso que mudei. Hoje encaro tudo bem

melhor, sem reclamar de nada, aceitando a vida como uma bênção!

Afinal, tem tanta gente que não tem o que eu tenho: uma família

boa, amigos, inteligência, facilidade para estudar... Não é?

 

O médico sentiu-se comovido diante daquelas palavras.

— Tem razão, Fernando. Agora tenho certeza de que posso ajudá-lo.

Vamos até sua casa.

 

O Dr. Milton trouxe o carro, no qual Fernando acomodou-se cheio de

esperanças. Em casa, apresentado à mãe de Fernando, o médico

conversou com ela e dispôs-se a tratar do rapaz, sem custo algum

para a família.

 

Em pouco tempo, Fernando estava bom de novo. Aposentara a

muleta, assim como a cadeira de rodas, que agora serviriam para

outras pessoas. Mas sempre dizia, animado:

 

— Bendito acidente! Se não fosse ele, eu ainda seria o mesmo. Graças

a Deus, eu mudei para melhor!

 

MEIMEI

Recebida por Célia X. de Camargo, em Rolândia-PR.

Fonte: Revista "O Reformador"

 

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!